quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Vida Prostituta

Tem dias em que eu só quero uma puta: puta grana; puta história; puta emprego; puta começo; puta felicidade; puta gama de amigos fiéis; puta orgia; puta verdade; puta coragem; puta vida.

Mas o que eu ganho é a normalidade filha de uma puta.

Eu gostaria que toda a normalidade fosse anormal. Porque há muito a normalidade passou a ser difícil, extremamente difícil, uma normalidade vestida de cotidiano, e o cotidiano é perigoso, porque me parece que ele vem com as traças dos problemas e das amarguras do pesar, do mofo que se instala em nossos pulmões, dos calos nos dedos de tanta repetição.

Quero calos que venham de aventuras. Quero a naftalina suprema que combata as bactérias do lugar comum, da zona de conforto - tão na moda em nossos dias. Não quero mais a normalidade das notícias dos jornais. Não quero mais a normalidade das matanças generalizadas, não suporto mais as pessoas se acostumando com tragédias e pestes diárias. Desejo o inseticida da esperança. Aquele que nos mata plenos. O remédio venenoso da estrada que nos levará à algum lugar. Não este! Não este lugar medíocre sem geringonças, onde relógios abstratos marcam o tempo sem erro, sem distúrbio, com tique-taques conformados, sem pena e sem veneno.

Estou cansado desse chove-não-molha dessa vida banal que levo. Pois que a tristeza, e os infortúnios também podem virar costumeiros. E quando cair com o elevador passa a ser costume,  e perdemos o medo, na verdade não perdemos o medo, apenas nos acostumamos com ele. Se acostumar com o problema é viver em um eterno Afeganistão, onde bombas passam a ser fatos comuns com os quais é preciso conviver feliz. Não acredito em felicidade no meio de uma favela.

Quero estar andando na rua e acordar num balão. Sobrevoando o mundo numa lata de sardinha alada. Sem aviso, sem a tristeza brega da existência. Quero que minha existência seja um jogo de futebol, e não um boçal carteado de cartas marcadas pelo destino.

A liberdade reside em ser puta e não cobrar o programa.




Nenhum comentário: