sexta-feira, 28 de junho de 2013

Nós da Vida

Dessa vida
Não se tem nada
Que não se preste à ida

Dessa vida
Não se cria bens
Se não for repartida

Nem casas
Douradas, nem salões
Repletos de escadas

Nem cristais que alguns possuem
Como vistas marítimas e tranquilas
Que a poucos aludem 

Nem palavras de ordem
Risíveis ou desvinculadas
Que alinham ou mordem

Pois que a vida é apenas
Uma sucessão de nós
Que se embolam em cena

Numa linha marcada por
A única coisa que os desata
E que eu chamo de amor