domingo, 12 de março de 2017

Três Contos Cariocas II

O sujeito andava  pela praia de Copacabana noite dessas quando passou por um daqueles quiosques engordurados da orla feitos pra enganar inglês. Deu uma parada pra olhar o "visual" quando um vendedor de balas que também passava por ali de repente o abordou. Seguiu-se o seguinte diálogo:

- Olha ali, cara! Vê se não é o Ronaldinho sentado naquela mesa? 
- Hum, olha... parece que é...
- Cara... sou fã dele! To louco pra tirar uma foto pra mostrar lá em casa. Mas será que é ele mesmo?
- Olha... são os cornos dele, amigo.
- Sei... mas o quê que o Ronaldinho ia tá fazendo sozinho numa mesa de um quiosque de Copacabana?
- É... isso é esquisito sim...
- Pô, mas vai ver o cara gosta de ficar tranquilo, curtinho sozinho, sem ninguém pra encher o saco dele.
- Pode ser sim, isso acontece. Mas pode não ser ele também, amigo!
- Mas olha o gorro igual? E o jeito dele ficar com o cotovelo apoiado na mesa, olha o jeito do cara! Só pode ser ele, caralho!

Bem nesse momento chegou o garçom. Lembrando que eles estavam fora do quiosque, que é cercado por umas plantinhas que eles colocam pra inglês ver. O garçom perto deles, mas do lado de dentro manda essa, e segue-se a seguinte conversa:

- Viu o Ronaldinho, amigo?
- Vi.
- To louco pra tirar uma foto com ele.... sou fã!
- Aí, cara, será que é mesmo ele? Parecido ele é. Aliás, de longe é os cornos dele.
- Claro que é! Deixou 500 réus de gorjeta no caixa! Tá hospedado no Copa!
- Caralho! O que eu faço, hein?
- Pô, vai lá cara, se você gosta tanto dele...
- Aí, eu vou lá dentro descobrir se é mesmo o cara!  Espera ae!

O sujeito então entrou no quiosque contornando as plantinhas e os camelôs que tomavam o espaço, e se dirigiu calmamente à mesa onde estava o suposto Ronaldinho. O quiosque estava cheio e ele pôde perceber aquela sensação de misto de curiosidade e agonia dos fregueses, pois só tinha gringo e eles adoram o Ronaldinho. Aliás, todo o mundo adora o Ronaldinho, só que os gringos também não sabiam se era ele ou não, mas nenhum tinha coragem de perguntar. O sujeito se aproximou do Ronaldinho e deu-se o seguinte diálogo:

(Tapinha no ombro)

- Oi, me perdoe, será que posso te fazer uma pergunta?
- Claro.
- Sem querer ser indelicado, mas você parece muito com o Ronaldinho Gaúcho, é você mesmo?
- (silêncio). (Ele ficou meio constrangido...)
- É você o Ronaldinho?
- Não, claro que não.... (sorrisinho Ronaldinho nos dentões)
- Ué, mas você é igual a ele, a mesma cara, a touca, o jeito, até o sotaque do sul!
- Obrigado... obrigado... mas não sou eu não... (meio tímido)
- Cara! Desculpe mais uma vez, mas é que olha lá fora! O baleiro tá louco pra tirar uma foto contigo pra mostrar pra mulher! (Nisso os gringos não paravam de sacar o que estava rolando.)
- Sou eu não... mas muito obrigado... aceita tomar um chopp, senta aí?

O sujeito não podia tomar o chopp porque havia marcado com uma gata do lado de fora do quiosque, então delicadamente declinou o convite e se retirou. Foi seguido pelos olhares indecisos dos gringos e voltou para perto do baleiro que continuava lá esperando ansiosamente pela grande resposta. Deu-se o curto diálogo:

- Olha... parece muito ele, mas disse que não é...
- Pô... mas olha só, é muito igual, é ele!!!
- É! Pode crer! É sim!

O garçom olhava tudo com aquele sorriso de vendedor de carro. Nesse meio tempo uns turistas levantaram e foram tirar foto com o Ronaldinho, que prontamente atendeu. O baleiro foi embora meio decepcionado com sua  falta de coragem, e o sujeito ficou perambulando por lá à toa, esperando seu encontro, e de vez em quando sacando os movimentos do Ronaldinho solitário em sua mesa. 

Depois de um tempo, o seu encontro já havia aparecido e já havia terminado, ele passa de novo pelo quiosque e encontra o garçom agora do lado de fora arrumando uns talheres. 

- E aí, cara, gostou do Ronaldinho no quiosque?
- Maneiro! Bem legal encontrar o Ronaldinho assim do nada!
- Com certeza!!
- (sorrisos camaradas)
- Quer tirar uma foto com ele? Ele tá cobrando dez reais por foto.









Nenhum comentário: