sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Soneto de Amor Louco

O que eu sinto por você é indescritível
E sendo assim, pode apenas ser sentido
Sem palavras, sem som, sem variável
É inteiro e pleno e (porque?) fico ferido

O que eu sinto por você é vermelho
Me marca a pele, a boca, o resto
É sangue na veia, íntimo, inteiro
Derramado num mar de calor deserto

Suaremos juntos, quiçá
Amaremos até não aguentar
E assim venceremos...

Seremos o que podemos ser
Amor de dois em um viver
Até o fim dos tempos, foderemos




Nenhum comentário: