quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Existem...


Existem postes onde bêbados se penduram
Em noites de sol mal bebidos
Existem dinheiros esparramados no chão
Escondidos num esgoto caído, caídos...
Alguém perdeu esse dinheiro e também se perdeu... deu...
Existem micróbios em minha tez, esperando a vez
De acampar em mim, furar buracos, entre sombras de perebas
Existem solidões e amplidões e amplidões solitárias...árias...
Existem cantores e favores, e lavor, e imensas grutas, falésias, Alésia...
Existem postes em todos os cantos da cidades.
Ninguém sabe, ninguém sabe...
Se são apenas para iluminar a madrugada,
Ou se são para que a madrugada os ilumine
Quem sabe para que o meu amor não tropece
Depois de me dizer adeus





Nenhum comentário: