sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

FIM DO MUNDO

Todo natal / ano novo eu me sinto assim: perdido na imensidão de um panetone. E o tempo vai passando, e as notícias vão se sucedendo, e os amigos vão se revelando, e de repente eu me grudo numa armadilha de chocolate, entre fibras de pão doce, e não saio mais. 

Talvez isso me salve do fim do mundo, que é hoje, por sinal. Mas no momento cozinho um ovo às 8:50h da manhã, o que pra mim já representa um fim de mundo. Especialmente não tendo dormido a noite inteira e com muitas coisas a realizar durante o dia. Mas é isso ai: CHOCOTONE na alma!

Falando de fim do mundo, eu que tenho certeza de que alguma coisa vai acontecer, em algum nível, em algum lugar do universo, em alguma cabeça, em alguma história porvir, sinto uma brisa de leve e longínqua, nos meus bens materiais. Não adianta guardar dinheiro, nem ganhar, se o mundo tá se finando.

Acho que os Maias têm alguma razão. Não sou místico a esse ponto nem nada. Mas acredito que talvez esse fim de mundo tenha sido adiado por ordem divina, ou por atraso inglês. Fosse predito por suíços com certeza já teria acabado... mas sul-americanos...sabemos como funciona né? Nada dá certo, ou nunca acontece na hora exata. 

Só sei que sinto no ar uma carruagem de mudanças (sweet chariots...). E acho que esse fim do mundo só pode ser duas coisas: ou o mundo já acabou e os Maias apenas nos quiseram avisar disso, já que ninguém realmente percebe; ou uma nova era de mudanças radicais começa agora, no dia 21, e só será sentida com o rolar do tempo que virá.

Tanta tristeza no mundo... acho realmente que ele já acabou e ninguém viu. Talvez seja essa a real mensagem profética dos Maias. Mas também acreditar num povo que comia corações de gente viva é meio burrice, né?

De qualquer forma talvez o chocotone nos salve dessa hecatombe geral.



Um comentário:

Kasô disse...

Adoro a dinâmica de seus textos e ovos estrelados também! ;)