sexta-feira, 29 de junho de 2012

Catarse

Sou pele. Carne e pele. Sou olhos incoerentes. Sou íris, córnea, boca, saliva. O ar me toca, as mãos me batem. Sou larva do céu. Sou e nunca fui o que não sou. Sou tristeza e alegria. Mais tristeza, pois sou o mundo. Um mundo. Imundo, e mudo. Quando eu quero eu mudo. Quando não quero fodam-se. Sou cabeludo. Sou devasso. Sou de mim. Sou vinho seco.

Arranco minha pele. Arranco meus olhos. Minha íris, minha córnea, minha boca arranco minha saliva gasta. O ar me foge, as mãos me afagam nas horas erradas, arranco as horas erradas. Alegria e tristeza,  eu as arranco de mim. Do mundo, que eu descolo, arranco a terra onde piso. Arranco minha sujeira, minhas palavras que nada valem, eu arranco. Fodam-se todos que querem me mudar. Eu arranco o direito de não ser eu mesmo de mim mesmo, quando quero. Arranco minha cabeça, minha devassidão é hora. Não sou, nunca fui de mim, ninguém o é. Seco o vinho que eu sou.

Não me encham o meu saco arrancado.


Nenhum comentário: