quinta-feira, 21 de julho de 2011

EVERYBODY IS GONE TO THE MOON!

Uma sonda espacial terrestre se diríge aos confins do espaço. Vai em busca de um asteróide conhecido como um exemplo da matéria das mais antigas do universo. 4,5 bilhões de anos de idade. Pesquisa primordial pro bem estar de um planeta caótico chamado Terra. Projeto desenvolvido em conluio de vários países desenvolvidos. Custou trilhões.

Num momento qualquer passeia pelo espaço numa velocidade alta insignificante tamanha imensidão do Universo. Mas segue, trilhando matematicamente o negrume sutíl e imperceptível que é o espaço afora. Trajetória calculada com tanta perícia que só o acaso pode desrtruir. Mas graças à sorte nenhuma bolinha perdida, nenhuma super-nova explode em seu caminho, nenhum objeto se entrepõe em seu caminho fantástico.

A sonda embora vazia é "tripulada" por centenas de técnicos atentos em Terra. Alguns ansiosos por novidades, aparições, vagos sinais de rádio, outros comendo companheiras no banheiro para relaxar. A tensão de um projeto altamente político e que poderia salvar o mundo, mas salva apenas o "futuro" é grande. Ninguém aguenta tanta ansiedade, mas todos dormem bem com seus remedinhos de bolso.

A atenção voltada é de 24 horas. Vários países alinhados e responsáveis. Preocupados. O que será que terá lá? O que será achado naquele solo estranho e antiquíssimo à Terra. Existirá água? Traços de carbono? Puro metal inóspito? Algum novo naterial? VIDA alienígena? Ninguém saberá pelo menos nos próximos 5 anos de viagem ao "vazio" que nos cerca.

A sonda é equipada com os mais modernos instrumentos, telescópios especiais, máquinas fotográficas...
Cinco anos se passam e o assunto é esquecido nas rodas e charutos dos que sabem ler. Só os envolvidos no projeto, dia a dia, monitoram a grande voyage.

Atenção! É chegada a hora. A sonda acaba de adentrar a gravidade do planetóide obscuro. Um misto de incerteza, loucura e ansiedade tomam o ar do observatório principal. A sonda já sugada pela gravidade, espera-se que em menos de uma hora atinja ponto visível e decifravel pelos computadores. Afinal a missão acabará! Algo será visto, identificado. Apenas a sonda não poderá pousar. Pois pelas análises o planeta é muito gasoso e teme-se a destruição total do projeto caso algo aconteça de errado. Uma próxima sonda voltará nos próximos 10 anos, desta vez com a certeza da solidez necessária para um pouso concreto. Esta sonda apenas coletará partículas flutuantes dessa sutil e fina atmosfera gasosa do planetóide.

A sonda se aproxima. Todos em alerta na sala. Radares bipando, rádios emitindo, monitores enlouquecendo, todos esperando o imaginado.... MEU DEUS! Diz o chefe da missão em Terra: O QUE É AQUILO? PARECE UM HOMEM? Sim com certeza é um homem, não há dúvidas. A camera se aproxima, talvez seja um alienígena. Mas não, é um homem. E é identificável! Parece que tem estatura mediana, cabelos muito curto, ralos talvez... pele branca. A tela agora mais aproximada tem certeza. Não é "marciano". Parece bem semelhante ao Homem comum. É UM HOMEM COMUM! Grita o chefe.

O homem agita os braços. Do planeta, anos a olhar o céu, eis que chega a salvação. O homem agita os braços com mais força, com mais ansiedade, já não suporta mais a solidão social de pedras e gás...

Mas a sonda, como era o programado, coleta pedrinhas de chumbo, e em 2 horas se volta ao negrume do caminho e segue seu destino matemático em direção à Terra "home sweet home". CALMA! Pensa o chefe do comando. Voltaremos em 10 anos....

Os braços do homem se relaxam de cansaço, o pensamento do chefe não chegou aos seus ouvidos... quantos anos ainda há de esperar por um pouso? Será que o víram? Será que ele existe????

Uma coisa é certa: tiraram uma foto.


Um comentário:

claudia disse...

"Uma próxima sonda voltará nos próximos 10 anos, desta vez com a certeza da solidez necessária para um pouso concreto." Não, muito tempo para quem já andou perdido por tempo demais por universos particulares! O pouso concreto pode vir quando menos imaginamos...a natureza humana é repleta de surpresas, e a ciência nunca supera a vontade. E nem sempre a esperança se apresenta em vestes de "mulherzinha perversa"...alguém me disse que esperança é uma coisa boa. Texto impecável, magnífico, emocionante, e para quem sabe ler além da superfície impressa, especialmente...