segunda-feira, 27 de junho de 2011

Trenzinho

O trenzinho parte. Vai para lugar nenhum. Em estações surrealistas, o trenzinho pára, Vai levando cada um. Pessoas vão entrando pouco a pouco. São poucas em cada estação. Entra um de cada vez, e vão enchendo o vagão. E assim ele vai seguindo, sem ultrapassar cada parada. Vai se enchendo com faces nulas, brancas e sem expressões. Nada interage com nada. Não há conversas, não há bate-papos. O trenzinho segue sua viagem ao desconhecido de cada um. Respeitando os sinais ao longo dos avisos; outros trens pelo seu caminho passarão. As mesmas figuras impessoais são quase pessoas. Não se sabe se são almas, ou se são carcaças, ou se são os dois. O trenzinho vai seguindo, e vai levando consigo as dores do caminho. As pedras que atrapalham os trilhos, os calores que dilatam os trilhos, não chegam no interior. O trenzinho é frio, repleto de falta de nada. A pior angústia é não sentí-la. O pior medo é o vazio. O trem agora anda cheio. Cheio de buracos. Que conceito engraçado, estar do nada apinhado. O trenzinho chega ao meio do caminho. Vai desaguando pessoas aguadas. Vai a cada estação se liberando do peso, dos que não pesam nada. Não existem palavras. Não existem olhares. Não existem jornais lidos. Porque não há bocas, não há olhos, não há mãos que segurem. E assim ele segue, como assim segue o mundo. E vai desaguando almas ou carcaças, cada um numa estação indenominada. Vai seguindo o trenzinho, pelos trilhos sozinhos, abre a sua porta automática e descarrega a solidão. Vai como o mundo. indiferente e igual. Onde todos tem cara lavada, branca e sem expressão. Pára o trenzinho na última estação. Vazio como a imensidão. Como se nada houvesse viajado. Como se não houvesse se passado. Retorna à sua função.

Um comentário:

claudia disse...

Em algumas estações acontecem reencontros capazes de devolver a cor de volta às faces depois de paradas vazias de sentido e direção, posto que todo caminho é também aprendizado. Boa noite, meu poeta, músico, pensador, artista e ser humano mais que especial. Sempre estarei por aqui, torcendo por ti em cada estação.