quinta-feira, 26 de maio de 2011

X.



O X. é um ser no vácuo. O X. nem é um ser, é apenas um personagem, que mesmo sendo não é. Ele é o K. tanto usado por Kafka, que tanto queria se assumir e não conseguia, o X. tem vergonha de aparecer, tem medo de ser. Ele não tem time, pois ninguém ama sem ser amado, e o X. ama sem deixar amar. O X. possui a vantagem da escuridão, mas não leva o crédito pelas suas belezas. O X. é puro, embora muitas vezes queira ser desafiante. O X. quer ser Deus. Quer ser polêmica sem machucado. O X. quer ser conflitante mas se perde na indiferença de um conflito sem dono. O X. quando gosta é um ser impedido de retorno. Não é homem, não é mulher, é pássaro. Ele voa, pois ninguém o vê, e sabe-se lá se chega ou se vai. Ele pode ser amor, pode ser guerra, pode ser admiração ou inveja, mas não é nada, e ao mesmo tempo pode ser tudo. O X. é o ghost writer. É o que merece mas não pode usufruir. Pode ser a mãe ou o cachorro super-dotado. O X. é um alien infiltrado tentando existir no meio diferente. O X. é um ser com uma timidez enorme, e que doí tanto que já virou identidade. É o ser trilhando um túnel, vagando sem alcançar a luz, e que quando o seguramos pela mão, e o puxamos pelo cabelo, só conseguimos arrancar a peruca.

8 comentários:

Anônimo disse...

Soy locca por ti, guapo locco!há tempos. Eu que já fui tua y o tive em minhas peles todinhas todinhas todinhas, aquela lingua morna e sem limites.sua linda mulher já sabe a sorte que tem.aqueles pelos tantos que nao me deixam empaz, aquela pinta na virilha marrom caramelo ainda mora em minha bocca. Engravida-me com tua língua, quero bailar de novo em vc.só me resta sonho y lembrança da cidade fria onde te amei.deixa eu ir, senão meu marido me mata!

claudia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alan Sommer disse...

Obrigado Anonima, seja lá quem você for, desejo-lhe um casamento feliz. Você deve ser de tempos muito distantes pois nunca saí com mulheres casadas. Tudo de bom pra você.

Anônimo disse...

Arigatou gozaimasu!

claudia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

E de tanto dançar, dancei e danço em lembranças de quem me ensinou o amor.Até rio mais e não sou tão fria assim. espero ter deixado um x em seu coração como vc deixo no meu, mas sou feliz e vc tb deve ser com essa mulher linda q vc arrumou.

Anônimo disse...

Bj da C.K.

Gisele Aguiar disse...

Alan, este ser contraditório...Quando leio um texto desse, penso como todos nós temos um mundo dentro de si, e neste mundo as contradições são exacerbadas.Às vezes, fico parada , sozinha, sentada olhando as pessoas indo e vindo, e penso: Existe um mundo ali dentro dela...E daquela senhorinha? Outro mundo, totalmente diferente do mundo da jovenzinha que tá na fila do cinema pra ver "Bruna Surfistinha" ( rs rs, e deve ser flamenguista, rs rs ).Ei, Claudinha, nem dá bola para estes seres anônimos que fazem comentários, vai ver nem são mulheres, são homens( ou até mesmo viados), dando em cima do teu homem, e por sinal, eles não devem entender nada do que o Alan escreve.....São FLAMENGUISTAS, né Alan? hehehehehehhehe, beijo.