segunda-feira, 30 de maio de 2011

A Era da Hipocrisia

Li no jornal outro dia que estão loteando o Ártico. As calotas estão derretendo muito rapidamente possibilitando a exploração de mais petróleo e gás e outras "riquezas". Dentre os países interessados e atuantes nessa nova colonização comercial estão os EUA, a Rússia, países do bloco europeu, e a Dinamarca, que inclusive já se autoassumiu dona de grande parte do território alegando alguma bobagem política qualquer.

Mas estão inscritas na agenda mundial outras reuniões em prol da saúde do planeta, agendas, estas, que não dão em nada e só servem para que políticos do mais alto escalão tomem cafezinho em frente às câmeras e mostrem seus olhinhos de "interesse" e "comprometimento".

A verdade é que o Homo Sapiens é mau. Na melhor das hipoteses é um indivíduo pouco neurótico, porém paranóico, com alguma síndrome psiquiátrica gravíssima. O ser humano corta os próprios pulsos para sobreviver.

Isso é visível na nossa sociedade onde as pessoas, cada vez mais falsas, constroem (cada vez mais) valores equivocados, que sustentam o mau caratismo como necessidade para se sobreviver. A hipocrisia sempre existiu. É só ler literatura antiga que lá está ela. "O primo Basílio", "Madame Bovary", "1984", "Contraponto" de Huxley, etc. Só que nunca na história humana a hipocrisia foi aplicada de forma tão profuda. Hoje, a própia hipocrisia pode ser hipócrita. O ser antes era um malvado assumido. Hoje todos somos hipócritas. Porquê? Porque não se vive sem ela. Não se ganha o pão nosso de cada dia sem sorrir no momento em que se deseja a morte do próximo. E essa é a base do políticamente correto. Eu odeio o políticamente correto. Que porra mal explicada é essa? Afinal, poucos sabem o que realmente significa a acepção da palavra "política". Política é como amor, não se explica muito bem. Aliás, quando as questões políticas do mundo vão de mal a pior, especialmente as do nosso país, porque dar tanto valor a uma expressão tão hipócrita quanto a que é ser "politicamente correto". Porém, temos que ser, porque, se antes eramos educados, e isso está claro que é necessário de verdade, hoje o conceito mudou. Não somos educados, somos interesseiros ao extremo. Sorrimos enquanto matamos.

E não é nossa culpa total não! Não há o que fazer! Ou somos assim ou não nos encaixamos, e se não nos encaixamos morremos de fome mesmo. Mas não foi sempre tudo assim? Não. Não nesse nível. Há muita gente nesse planeta. Não há mais lugar para ninguém. Em breve não haverá comida para todos, nem água, por isso a super valorização das commodities e, claro, dos países subdesenvolvidos, que,... perdão, serei politicamente correto: Em Desenvolvimento.

Por isso estão loteando o Ártico, e em breve lotearão as águas da Antartida também. Porque há que se alimentar o povo. Há que se alimentar um sistema de consumo que deixou de ser consumista para ser antrofagico-consumista. Nós estamos nos devorando sem perceber. Não estamos devorando a natureza, estamos devorando o Ser Humano.

Na televisão todo mundo deseja ser médico (House) ou advogado. Mas o  mundo hoje é dos economistas e dos marqueteiros. Uma comunidade de profissionais do nada. Alguém já viu economista acertar tendência? Claro que não. Porquê? Porque não é para acertar. É para divulgar a mensagem, a notícia errada. Porque a bolsa de valores é o lugar onde os otários botam a grana que os expertos ganham. E o marketing só é alimentado pela super febre de consumo que ao vender milhões de automóveis e geladeiras no mundo está dizimando nosso habitat natural. Mas pra quê tanta geladeira? Pra quê tanto carro???? Duram pouco porque foram feitos para quebrar rapidamente. O conceito é parecido. Os países desenvolvidos já estão botando as barbas de molho e preparando seus mercados, desenvolvendo aparelhos que funcionam com combustíveis mais baratos e mais limpos. Porém, voltando ao início deste texto, todos esses países estão de olho no petróleo do Ártico. Torcendo para que tenha muito petróleo a ser queimado ainda nesse planeta. E enquanto isso é preciso "empregar" essa gente, essa superpopulação, portanto o marketing!

É por isso que o seriado de mais sucesso é o House. Porque ele simboliza o contemporâneo pensamento, a hipocrisia, não divertida, ou inerente ao mau-caráter único, mas sim a generalizada, por si só necessária, a qual sem ela, morreríamos de fome num mundo cada vez mais competitivo e afunilado.

E todos gostam do House. As mulheres gozam quando o ouvem proferir frases de efeito devastador aos egos que o rodeiam  pelo hospital. O ideal hoje em dia é ser filho-da-puta. Quem vence não é o músico talentoso (sem recalque algum porque sou foda e sei que "conseguir" é bom, mas não é o mais importante), mas sim aquele que faz comédia, que anima a platéia idiota que não vai nem para assisti-lo, e sim pra azarar, e talvez consiga terminar a noite com algum amorzinho hipócrita instantâneo, e/ou para fazer "contatos" hipócritas que possam resultar no pão nosso de cada dia, ou o sushizinho, tanto faz.

Vivemos a era da mentira total. Onde as pessoas mais verdadeiras são as que não conseguem esconder suas invejas, babando seu ódio real pelos cantos da boca. E outras pessoas, o grosso, que se escondem por trás de um escudo de fachada, bonito (tenta-se, pelo menos ser bonito), falando mal pelas costas de quem tem valor e é humano e digno. Oferecendo mundos e fundos, todos mentirosos e hipócritas, porque o importante é "parecer legal". Muitas dessas pessoas vêm escondidas atrás de "profissões" de nomenclatura duvidosa, tipo "produtor de gestão", ou "jornalista de conceito", coisas assim. (???) E há aqueles que babam de raiva invejosa, e ao mesmo tempo dizem te amar. São cobertos pela aura da cor do estrume que ninguém vê.

O fim do mundo poderá vir de uma bomba atômica, ou de um cometa. Mas o fim da sociedade virá no dia em que pudermos ler pensamentos.



(O texto abaixo por Claudia Tonelli)

Cortinas podem ser trocadas, paredes podem ser pintadas, sofás podem ser reciclados, lustres podem ser polidos, cozinhas e banheiros podem ser renovados, além de quartos, que podem ser finamente decorados...mas e a alma? Quem reforma a alma? Será que uma pesquisa de mercado super especializada responderia essa pergunta? Para onde caminha a sensibilidade humana? Dá para medir em gráficos o quanto "vale" cada um? Não, não dá. Vai além do alcance dos homens (espécie). O mundo dá voltas. Tem coisa na vida que é melhor nem saber...

6 comentários:

Gisele Aguiar disse...

Acabei de escrever algumas linhas na minha página do face, que tem td a ver com teu texto ( e juro que escrevi antes de ler teu texto.). Estou impressionada....
"Ah, cansei...Cansei de tudo que me pressiona, de tudo que me sufoca, da falsidade das pessoas, dos "amigos" que não são " amigos" , da burrice alheia, da mesmice diária, da imundice que é o Ser Humano...Cansei de MIM, mas como vou ter que viver em minha companhia até a morte...PACIÊNCIA!"

Alan Sommer disse...

Gi. Você tem a sorte de ser a pessoa legal que você é.

Mirelle disse...

adorei...

Mirelle disse...

adorei...

Alan Sommer disse...

Obrigado. :)

Cláudia Bistrichi disse...

Falo por dois...

E eu fico pensando de como seria melhor o nosso mundo sem os hipócritas e covardes.

A hipocrisia fede. Os hipócritas fedem. Assim caminha a nossa sociedade “pura” de impuros.

E quanto ao seu estilo de som, suas composições são muito bem escritas, lindas, homem poeta simplesmente abençoado por Deus, admiro. Poesias das mais raras que realmente toca, de arrepiar, bela voz, melodia, métrica e rimas. Parabéns por exaltar a tão bela poesia.

Embora eu curta toda a Musica de Toda Expressão Social
Voltada Para a Realidade Das Ruas desse Mundo caótico e Decadente, onde
a Convivência do Cotidiano perante toda Hipocrisia sistemática dessa
Sociedade Corrompida Por Falsos Valores que nos induz a sentir apenas
ODIO!!!
Sobreviver Com o idealismo utópico, ou seja, a ânsia de habitar um mundo
Justo e igualitário para Todos me da Forças para Lutar e não Sucumbir
em Frente à Podridão social.

Cara é isso ai então seu texto fico bastante foda, e seu som é manero também.